25 de ago de 2014

Se você leu o clássico livro de Lewis Carroll (1832-1898), “Alice no País das Maravilhas”, ou assistiu a algumas de suas numerosas adapt...

A história por trás do Chapeleiro Maluco

Nenhum comentário:
 

Se você leu o clássico livro de Lewis Carroll (1832-1898), “Alice no País das Maravilhas”, ou assistiu a algumas de suas numerosas adaptações cinematográficas, sabe que o tal Chapeleiro Maluco era um cara de modos estranhos, ideias confusas e que parecia, realmente, um pouco desmiolado.
Novamente um caso em que a ficção flerta com a realidade. A inspiração para Carroll tinha base científica. Sim, havia chapeleiros “malucos”, por assim dizer.
Durante o século 19, os fabricantes de chapéus, geralmente, sofriam de uma quadro clínico que incluía desde dores de cabeça e espasmos até alucinações, alterações de personalidade e psicopatia.
O motivo disso era que, sem saber, esses chapeleiros se envenenavam lentamente ao inalar o vapor de mercúrio, uma substância que empregavam para tratar o feltro e o tecido que cobria os chapéus. O veneno entrava no organismo e se acumulava em órgãos como rins, fígado e cérebro.
Essa “enfermidade profissional” inspirou o personagem do Chapeleiro do romancista britânico. Tanto é que ainda hoje há a expressão popular inglesa: “mad as a hatter”, ou seja, louco como um chapeleiro.


Nenhum comentário: